ANEFAC na Mídia


Depósitos superam saques da poupança em R$ 1,23 bilhão em abril

Resultado positivo é o maior para meses de abril desde 2013. No acumulado do ano, porém, retiradas da poupança superam depósitos em R$ 694 milhões.

Os depósitos na caderneta de poupança superaram as retiradas em R$ 1,237 bilhão em abril, informou o Banco Central nesta segunda-feira (7).
Esse resultado positivo foi o maior para meses de abril desde 2013, quando R$ 2,616 bilhões ingressaram na aplicação. Além disso, é a primeira vez, também desde 2013, que os depósitos superam os saques em um mês de abril.
Se considerados os quatro primeiros meses deste ano, entretanto, as retiradas superaram os depósitos em R$ 694 milhões. Mesmo assim, foi o melhor resultado para este período desde 2014.
Melhora na economia
Segundo o administrador de investimentos, Fabio Colombo, a melhora da economia, com o retorno do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado e continuidade em 2018, tem contribuído para esse quadro.
Ele aponta que "a diferença do rendimento da poupança para outras aplicações ficou muito pequena" com o processo de redução da taxa de juros pelo Banco Central nos últimos meses.
"Então, para o pessoal de mais baixa renda, não tem tanta diferença aplicar nos outros produtos. Está sobrando um pouquinho mais de recursos e eles estão destinando para a poupança", avaliou ele.
Colombo observou, porém, que os investidores "de maior vulto", ou seja, que dispõem de mais recursos, preferem outros tipos de aplicações como os fundos de investimentos, onde o retorno é maior. Como aplicam um valor mais alto, esses investidores acabam conseguindo uma taxa de administração, cobrada pela instituição financeira, menor.
Em todo o ano passado, os depósitos superaram os saques em R$ 17,12 bilhões na tradicional modalidade de investimentos.
Com a queda dos juros básicos da economia em 2017 e nos primeiros meses deste ano, a caderneta de poupança passou a render menos.
Pela norma em vigor, há corte no rendimento da poupança sempre que a taxa Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano. Nessa situação, a correção anual das cadernetas fica limitada a 70% da Selic, mais a Taxa Referencial, calculada pelo BC.
Hoje a Selic está em 6,50% ao ano. Como a regra prevê que a correção da poupança seja de 70% dessa taxa, ela está hoje em 4,55% ao ano, mais Taxa Referencial.
Mas a queda de rendimento afeta também as aplicações conhecidas como prefixadas, ou seja, que têm por base a Selic.
Mesmo assim, segundo cálculos da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a poupança continuará sendo uma "excelente opção de investimento, principalmente sobre os fundos cujas taxas de administração sejam superiores a 1% ao ano".
Analistas avaliam que o Tesouro Direto, programa que permite que pessoas físicas comprem títulos públicos pela internet, via banco ou corretora, sem necessidade de aplicar em um fundo de investimentos, também pode ser uma boa opção para os investidores. O programa tem atraído a atenção de aplicadores nos últimos anos.
Fonte: G1










ANEFAC Congresso ANEFAC Troféu Transparência Profissional do Ano Pesquisa de Juros Associe-se Contato
São Paulo

(11) 2808-3200

Rua 7 de Abril, nº 125 - Cj. 405 - 4º andar - República
São Paulo - 01043-000


eventos@anefac.com.br
Rio de Janeiro

 (11) 2808-3200




Campinas

(11) 2808-3200




Curitiba

 (11) 2808-3200




Salvador

 (11) 2808-3200





© ANEFAC. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo da ANEFAC. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved. Site desenvolvido por Acessa Brasil Internet